10 lições sobre gratidão que ajuntei nos meus 23 anos

Dia 06/04/2018
|

É bem comum no meu aniversário eu me aventurar na tradição de fazer listas. Amo listas e faço com uma frequência recorrente na minha vida, por isso gosto de traze-las pra cá quando consigo: são uma parte importante da Carol – hahaha.

Falar sobre o que eu vivi nos meus 23 acabou se tornando um momento que esperei por certo tempo, afinal, foram muitos aprendizados e lições valiosas no último ano. Lições que a Carol de 2017 suou bastante pra aprender e das quais sou muito grata. Hoje eu quero falar sobre isso. Sobre as lições – sim – mas, e especificamente, sobre gratidão.

1. Estar vivo é um presente. Sei que há pessoas que talvez descordem disso, que refletem muito sobre a morte como a melhor opção de cessar a dor e eu, que nunca fui uma pessoa com hábitos de ficar super ultra animada no meu aniversário, esse ano me vi ansiosa e feliz quando essa data chegou. Quer dizer, parabéns por ter não ter sido atropelada por um ônibus?, eu pensava, há pouco mérito em viver. Mas a verdade é totalmente o contrário: há sim muito mérito em estar vivo e esse ano eu entendi isso. Decidi comemorar meu aniversário e o motivo não poderia ser mais óbvio, e que nem sempre eu observei: eu sou uma sobrevivente. E sou grata pela vida, e eu acho que ser capaz de enxergar pequenas coisas como presentes também facilita em muito nossos conflitos.

2. Mas viver é uma coisa muito difícil. Tomar decisões, amadurecer, deixar pessoas, seguir sonhos, encontrar forças em si mesmo para se curar de feridas que os outros vieram e deixaram em ti, isso requer muita força. Força essa que nem sempre eu tive. Então eu também quero agradecer Àquele que não apenas me deu a vida, mas também tornou muito fácil para mim vive-la. Eu não teria chegado até aqui sem Deus, e hoje – e pra sempre! – Ele é a primeira pessoa a quem eu agradeço. As pessoas sempre dizem que Deus é Pai e por isso todo mundo é filho dEle, mas isso não é verdade. Família se escolhe, não se impõe a paternidade a alguém. Deus criou todas as coisas, sim, e Ele é Pai, sim, mas Ele é Pai daqueles que o escolhem como Pai. E ter escolhido ser abrigada em seus braços de amor foi a escolha que eu mais acertei por toda a vida: ela é que torna possível e suportável todas as outras que vieram, que virão.

3. Eu amo o amor. Eu não me canso dele, eu não me canso de falar dele, eu não me canso de proclamá-lo. E eu sou grata aos meus pais por me apresentarem a ele na instância mais simples e intensa que existe: o de amar alguém como uma pessoa livre. Eu sinto que os 23 foi um ano divisor de águas para mim. Porque todas as coisas ruins e conflituosas que vivi desde 2014 ficaram para trás em 2016 e fui capaz de aproveitar 2017 como meu primeiro ano de decisões livres. Eu me senti adulta com 23 anos e eu não fiquei (sempre) assustada. Porque meus pais não apenas me deram muitos gibis e amor quando eu era criança, eles me ensinaram o lema da família e todos os dias isso fez toda a diferença. Liberdade com responsabilidade.

4. Eu sou grata aos meus pais não apenas pela criação e amor que me deram. Mas eu também quero agradecer seus infinitos esforços em cuidar de mim e tentar, dia após dia, que eu não tivesse nada menos do que eu merecia. As condições nem sempre foram favoráveis, e é por isso que eu aprendi o valor das coisas: caro é o que se paga quando alguma coisa não vale a pena. Porque há um custo que é preciso respeitar para conquistar coisas, e esse custo é o valor. Não poder pagá-lo não significa que seja caro, caro é o que não vale a pena e saber disso me inspira, até hoje, a valorizar o que tenho e correr atrás do que preciso.

5. Sou grata às minhas amigas.
Meu Deus, como eu sou grata às minhas amigas. Falar sobre elas é, impreterivelmente, falar sobre como eu me descobri uma mulher de força. É falar sobre como eu aprendi a amar mulheres sem nunca julgá-las por como se parecem ou poderiam ser, mas amando-as por quem são. Minhas amigas são responsáveis por me mostrar uma versão de mim mesma que nem sempre fui capaz de enxergar e depois que enxerguei nunca mais pude fechar os olhos. Conhecer mulheres inspiradoras é uma parte muito importante de ressignificar todas as inverdades que ouvimos por toda a vida sobre o que significa ser mulher.

6. Esse post é muito especial porque cada foto aqui foi pensada e produzida especialmente para ele, e são fotos que amei idealizar e fazer. Com isso eu também quero dizer que eu sou grata à fotografia. Eu sempre fui muito ligada à diversas formas de expressões artísticas, escrevo desde muito nova e sou apaixonada por cinema desde que eu me entendo por gente, mas a fotografia foi a principal arte que me salvou em meus momentos muito difíceis. Tirar todos é fragmentar o mundo através de um olhar, e se enxergar sob a lente do outro também faz parte do processo de saber como eu posso me enxergar, foi assim que, mais de uma vez, eu vi coisas que me inspiraram a ser e fazer; me inspiraram também a acreditar.

7. Eu sou grata por você.
Meu amigo leitor, minhas amigas leitoras. Eu sinto que eu tenho uma rede muito fiel e querida de pessoas que se conectam com esse espaço. O Horinhas de Descuido é uma parte essencial de quem eu me tornei. Quem me conhece desde a época do blog antigo sabe que quando migrei pra cá eu estava muito determinada a fazer uma coisa diferente, e eu amo que eu tenha conseguido manter a essência do blog – escrever cartas – mas tendo muita liberdade pra falar sobre uma porção de outras coisas em formatos muito diferentes. Aqui a gente tem os textos em inglês lá do facebook, e os projetos do instagram, o canal de Descuido, e é através dos amigos leitores, e para os amigos leitores que essa rede continua. Obrigada, porque eu amo muito ser escritora, mas eu não poderia ser escritora pela metade, e a outra parte de escrever também é ser lido – não faria sentido pra mim gritar e gritar sem ninguém para me ouvir. Gratidão real ♥.

8. Não consigo falar sobre a mulher que eu me tornei sem agradecer à garota que eu fui. Eu me descubro constantemente em construção, mas eu sei que há coisas sobre mim intrínsecas demais para um dia desaparecerem, e me erguer sobre os escombros de uma carol do passado significou ter forças para deixa-la lá, no passado. Eu sou grata pela coragem dessa garota em saber o momento de deixar ir o que doía demais para segurar, e ainda mais grata por ter conseguido descobrir o que manter. Se construir é também – e o tempo todo – se desconstruir.

9. Eu sou grata a Deus pela paz. É o melhor sentimento que já experimentei, e não sei como seria capaz de prosseguir na vida sem uma consciência leve e um espírito certo de que há esperanças. A paz é o sentimento que me mantém firme nas minhas escolhas e me guia pelos labirintos de dúvidas: me assento onde meu coração se acalma.

10.Eu sou grata pela vida. Sim, já falei isso. Mas sou realmente muito grata. Porque passei muito tempo focada em sobreviver, e foi comum que eu nem sempre lembrasse que viver e sobreviver são coisas distintas. Mas eu me sinto viva hoje, e eu sou grata por isso. Sonhos morrem, amigos morrem, partes de nós morrem. A vida é cheia de morte, tanto que a própria vida se rastejar pelas frestas de luz até a superfície entre tantos túmulos chega a ser um milagre. Eu sou grata pelas várias mortes que se fazem necessárias, sou grata até pelos túmulos em si – há coisas pesadas demais para levar pra eternidade, deixar coisas para trás e enterra-las é uma parte importante da leveza de seguir adiante – mas, e principalmente, sou grata pela luz que se esgueira em meio a escuridão.

Obrigada a cada um de vocês que me dá a oportunidade de estar aqui, gritando a plenos pulmões e refletindo luzes em seus momentos de dor, abraçando com palavras corações cansados e compartilhando juntos esse milagre que é viver. Sei que há muita vida pela frente, e é hoje – e sempre – um prazer poder dividir isso com quem escolhe estar aqui.

Tem uma pessoa sem a qual esse post não poderia ter sido concluído. O cara que se engajou muito em pensar nas fotos, produzi-las, editá-las e me ouvir falar sobre eu mesma, o blog e minha escrita por muitas madrugadas, sempre rindo e animado apesar dos meus horários malucos. Pra ver um zilhão de fotos sensacionais é só clicar aqui e conhecer o Igor, um presente descuidado de 2018.

_______________________________________________

com amor,
cs

  • dia 08/04/2018

    Absolutamente tudo nesse post é lindo e incrível. Eu to muito muito muito apaixonada pelas fotos. E to muito feliz por você, por mais um ano de vida, mais um ano tendo suas palavras, sua amizade e seu carinho. Te amo.
    É isto, tava de bobeira e decidi entrar no seu blog só pra dizer que te amo e sinto muito orgulho de quem você é ❤

    [Responder]

  • Fábio Santana
    dia 09/04/2018

    Que bom que tem um pedacinho meu aí…. beijo

    [Responder]

  • dia 28/04/2018

    Oi, Parabéns !!

    Estou simplesmente apaixonada por seu blog e suas palavras, adorei. Tenho um blog e amo escrever também, se puder dar uma olhadinha …
    Obrigada desde já!

    [Responder]