Textos
30/12/2016

Digito essas palavras sorrindo, e isso é fantástico.

É fantástico porque eu não imaginaria, depois de 364 dias totalmente diferentes de qualquer coisa que eu já vivi pelos últimos 22 anos da minha curta existência, que eu poderia falar coisas boas sobre essa experiência que foi estar vivo em 2016. Mas essa talvez seja, para mim, a maior beleza do desconhecido: nossa imaginação nunca é fértil o suficiente para desvendar a quantidade de maravilhas que ele pode trazer.

Em Abril foi meu aniversário e eu fiz uma postagem muito especial – talvez a mais especial até hoje – aqui no Horinhas, listando as 22 coisas que havia aprendido até aquele dia. E, falei muito de mim nessa postagem. Sobre as minhas experiências, o que eu acredito e as verdades que propago por ai. Então, para finalizar esse ano – épico – chamado 2016 eu resolvi fazer uma nova lista contendo tudo que no dia 01 de Janeiro deste ano eu não fazia, e, de forma brusca ou muito gentil, este ano fez questão de me mostrar.

1. Ninguém vai me amar tanto quanto eu devo amar a mim mesma.

2. Algumas pessoas não estão prontas para ouvir algumas verdades, isso não significa que eu devo mentir para elas.

3. Não posso impedir as pessoas de se decepcionarem comigo porque não sou responsável pela interpretação que elas tem a respeito do que digo ou faço. Elas são.

4. Posso dar cada molécula de amor que existe em meu corpo a uma outra pessoa, e sobreviver sem essas moléculas, isso não significa que ela não vai precisar de outras coisas para se sentir completa, ou viva, ou amada.

5. Falando em amor, as pessoas que me amam vão me amar mesmo se eu pisar na bola duas ou três vezes, porque o amor independe de argumentos ou condições favoráveis. Ele é incondicional.

6. Só existe um sentimento além da dor capaz de transformar tudo que uma pessoa é, acredita e entende na vida e esse sentimento é o amor. Eu vou passar por mudanças na vida sem poder escolher por qual via elas virão.

7. As pessoas em quem mais confiamos são as que tem o maior potencial de nos magoar porque elas é que viram o que há de mais imperfeito, fraco e humano em nós. Algumas vezes elas vão usar essas imperfeições e fraquezas como desculpas para irem embora.

8. Falando em ir embora, vai quem escolher ir, isso está além da minha capacidade de ser legal, amável, bondosa, gentil ou perfeita.

9. As pessoas fazem o melhor que podem para sobreviver, e algumas vão precisar adentrar estradas que divergem da minha. Não é culpa delas.

10. Culpa, aliás, é um sentimento que não tem qualquer utilidade e devo evitar senti-lo o tanto quanto possível. As coisas aconteceram da forma que tinham de acontecer.

11. Quem realmente se importa liga, manda mensagem, manda carta, aparece no meio da madrugada com um pote de açaí e um DVD, faz o que for preciso, mas encontra uma forma de estar presente.

12. Distância, ou falta dela, não significa amor – ou falta dele.

13. Existe sempre uma reserva de stamina em algum lugar dentro de mim esperando aquele momento em que vou dizer “eu não aguento mais”, e só eu me conheço bem o suficiente para cavar no lugar certo e fazer jorrar essa reserva.

14 Às vezes é muito necessário que desconheçamos uma pessoa para sermos capazes de amá-la novamente.

15. Falando em desconhecer, não escolhemos quem vai ficar na nossa vida. E isso é muito bom, significa que todo mundo possui direitos, e opiniões, e vontades, e sonhos, e uma liberdade que não está condicionada a nós.

16. Eu também possuo direitos, opiniões, vontades, sonhos e uma liberdade que não está condicionada aos outros. E eu preciso respeitar isso e parar de condicionar quem eu sou a quem os outros esperam que eu seja.

17. Devo agir com as pessoas conforme quem eu sou, não conforme quem elas são.

18. Eu não preciso aceitar merda nenhuma que qualquer um tente me fazer acreditar que é a verdade.

19. Eterno é uma condição que damos às coisas cuja memória perdura, mesmo que a coisa em si não.

20. Se eu não souber quem eu sou vou permitir que as pessoas me digam, mas ninguém está realmente habilitado para determinar coisas tão importantes quanto meu caráter.

21. Pessoas boas fazem coisas ruins às vezes, isso não significa que não se importam. Significa que são tão humanas quanto eu.

22. Quando eu não souber mais o que fazer ou como continuar é muito importante tentar dançar até minhas pernas bambearem, ou tomar um banho, ou escrever sobre o que sinto, ou falar com alguém.

23. O que as pessoas pensam sobre mim não é quem eu sou.

24. Existem pessoas que agradecem aos céus pela minha existência, de alguma forma eu mudei a vida delas. Por que estou pensando tão pouco a respeito de mim mesma?

25. Sou a única pessoa do mundo que nunca vai me abandonar, não importa o quanto eu me afaste de mim mesma. Eu mereço algum crédito por isso.

26. Falando em abandonar, nenhum colírio no mundo é capaz de me fazer enxergar as coisas importantes da vida tanto quanto a solidão é.

27. Tudo vai passar, e eu também. Para os outros, para o mundo e até para mim mesma, mas eu preciso sentir as coisas enquanto elas estão acontecendo.

28. Se sentir fraco é o primeiro passo para encontrar toda força interior que ninguém nunca disse que eu tinha.

29. Muito mais importante do que para onde estou indo é quem vai comigo, como vamos chegar lá e porquê eu quero estar neste lugar.

30. Final é só uma coisa que eu escrevo antes de começar tudo outra vez da maneira mais diferente que eu puder imaginar.

31. Todos os relacionamentos do mundo possuem três versões: a minha, a sua e a verdade. Perspectiva é a única coisa capaz de me fazer seguir em frente.

01. Quando uma coisa termina não significa, sob nenhuma hipótese, que ela não tenha sido lendária. Obrigada por tudo, 2016!

Beijos,
Carol Santana

Nina,
dia 31/12/2016

Querida Carol,
será que amei tudo? Me vi muito nesses aprendizados, viu? Acho que 2016 também me ensinou grandes coisas, foi um ano de recomeço, de amor a mim mesma, de renúncia aos outros para me fazer eu outra vez. E tá tudo certo, tá tudo bem. Porque a gente precisa, sim, de um tempo para nós, independentemente de quem e o que querem os outros.
Obrigada pelos vários ensinamentos e pelas diversas relembranças sobre quem sou e ainda quero ser – e, especialmente, sobre quem eu não queria mais ser. Obrigada, sempre <3

Love, Nina.
http://ninaeuma.blogspot.com/

[Responder]

dia 31/12/2016

Sabe aquelas pessoas que você falou ai no seu post que você mudou a vida? Então. Me deixe agradecer por isso. Agora mesmo, enquanto eu lia suas palavras – incríveis, como sempre -, você mudou minha vida mais uma vez. Me mostrou coisas que eu precisava enxergar. E eu aprendi com você, agora, aos 45 minutos do segundo tempo desse 2016. O quão incrível isso é?
Estou muito feliz que esse foi um bom ano pra você, porque você merece todas as coisas maravilhosas que o mundo tem a oferecer.

P.S amei essas fotos demais!!!
Beijo

[Responder]

dia 18/01/2017

Carolzinha, primeira coisa, eu amei seu lay mas me peguei clicando em tudo das fotinhas pra aparecer as categorias (fia, já pensou em fazer isso ? em cada coisa que clicar vai pra categoria dela?) sim eu sou a doida das ideias kkkk
Sobre suas lições, adorei! E vou ver a do seu aniversário também :) incrível como a gente muda e aprende né? Feliz ano novo pra tu!
dezoitoemponto.com

[Responder]

dia 24/01/2017

Porra, quanta reflexão foda, quanto aprendizado maneiro! Pelo menos seu 2016 não foi tãããão ruim assim né, porque o meu foi óh uma bostinha (com algumas exceções, claro!)
Mas nesses anos mais tensos são os que a gente aprende mais coisas mesmo!
Enfim, saudades de você, saudades de passar aqui!

Beijos,
Isabella
The Urban Trends

[Responder]

dia 04/05/2017

Hello! Cool post, amazing!!!

[Responder]