nove

Dia 12/09/2018
|
Sobre Textos

remi bastié

beije-me, 
ele disse.

mas há muito mais
não ditos
no que se escolhe dizer.

e eu quis.
mas não pude.

mingou-se a lua.

ame-me,
eu disse.

mas há muito mais
ditos
no que se escolhe calar.

e ele (não) quis.
mas não pôde.

talvez esse seja
o último,
dos quase dez textos,

que
eu
lhe
escrevi

e ninguém te ensinou
a (me) ler.

é a primeira
poesia.
quanta morte, para quem acabou de nascer.

quem acabou de nascer?
nós.
e soltou-me.

      m
              i
                  n
                  g
            u
       o
  u

 

___________________________

oi!

eu estou com saudades de vocês!

Será que tem leitores legais o suficiente, e que se amarram em embarcar em novas aventuras comigo pra me dizer se eu devo a. criar vergonha na cara e focar nos doze milhões setecentos e vinte mil cento e onze projetos que já envolvem o horinhas de descuido ou b. por  que não começar mais um projeto novo e compartilhar poesias, pois, não é como se já houvesse poesia o bastante no mundo.

Façam suas apostas, e, de toda forma, obrigada por estarem aqui!