Textos
24/10/2016

 

a211b7ffba308177e1050a40130cb0b4

Na semana passada aconteceu uma coisa que já havia acontecido algumas vezes antes, mas que até então eu não havia reparado que era recorrente.

Recebi um inbox de uma amiga muito querida com quem não falo já há algum tempo, dela me dizendo que havia lido o meu blog depois de descobrir que o agora ex-marido havia ficado com outra no dia do término deles. Foi a maior barra da vida dela, e ler o que eu escrevi, me enxergar através dos meus textos, ver o que eu passei e hoje estou aqui, viva para contar história, foi o que a fez se acalmar e saber que ela também vai sobreviver a isso.

Não foi a primeira vez que isso me aconteceu. Nem todos os textos do blog são bem compartilhados. Nem todos recebem vários comentários ou muitas curtidas. Enquanto eu escrevo essa postagem o instagram do blog (@hddescuido) tem 30 seguidores, e a fanpage no facebook tem 325 curtidas.

Hoje é dia 24 de Outubro, e essa é a primeira postagem que eu consigo escrever nesse mês aqui no blog, e o único motivo de eu conseguir escrevê-la é porque ela não é sobre mim. Veja bem, Outubro é um mês bem difícil para mim. Tenho evitado escrever até que ele termine para que eu não volte a escrever coisas tão sensíveis como escrevi pelos últimos seis meses.

A verdade é que 2016 foi o melhor e o pior ano da minha vida. E isso tem consequências que seguem reverberando em todos os aspectos da minha vida. Até nas palavras.

Principalmente nas palavras.

Me afasto delas num reflexo rápido de quem tenta se proteger de uma imagem no espelho que vai revelar mais do que posso encarar. É uma medida temporária que na verdade só resolve dentro da minha mente, como colocar um band-aid num braço quebrado. Ah! Os truques que a mente prega. Como são fascinantes as coisas que nos forçamos a acreditar que podem nos reparar!

Mas vocês, meus leitores, nunca me deixam esquecer do motivo pelo qual estou aqui e faço o que faço. O Horinhas de Descuido não é um blog famoso, não é um blog grande, não me dá dinheiro (mas me dá muitas despesas!), não tem nome e já aconteceu de ficar até 4 semanas sem posts novos. Vocês não sabem disso, mas, recentemente eu pensei em desistir dele. Não é nada pessoal contra o blog, vocês ou a blogosfera – eu só estava numa fase de desistir de tudo mesmo.

Mas, apesar dos intervalos espaçados entre uma postagem e outra, continuei. Ainda bem que continuei. É sempre bom lembrar que podemos ir mais adiante do que pensávamos. Continuei com o blog porque não importa quão tempestuosa a minha vida – alma, espírito, mente ou coração – possa estar, eu preciso das palavras para me segurarem na superfície e me impedirem de afogar.

Esse ano foi por pouco, mas dizem que mares calmos nunca fizeram bons marinheiros. Meu amor, eu hoje navego melhor que Capitão Gancho e Holandês Voador ao mesmo tempo.

Muito obrigada à cada um de vocês que me fizeram lembrar o quanto essas palavras – minhas palavras – foram importantes nas navegações de vocês! Muito obrigada por cada uma que usou esse blog de Norte pros sentimentos, e bússola pro coração.

Às vezes eu sinto que as pessoas se esquecem de nos informar que somos fortes só pra ver se a gente consegue descobrir sozinho, mas é, por vezes, sem nunca ter sabido disso, que a gente desiste de lutar contra a maré e se deixa afogar. O fato de eu ser tão transparente sempre (embora nem todos os textos sejam sobre mim) me faz pensar que vocês me vêem como ilha de descanso pra quem já não consegue dar braçadas. Oasis no deserto. E espero continuar assim.

Eu sou fraca como vocês. Eu passo por uns maus bocados que às vezes só o pessoal do twitter (@_cpadfoot) fica sabendo. Passo por uns piores ainda que nem o pessoal do twitter fica sabendo. Eu choro no banho, e mancho cartas com minhas próprias lágrimas. Já perdi as contas de quantas vezes o balanço do meu próprio corpo tremendo foi o que me ninou para dormir. Mas eu não tenho medo de falar nada disso, porque no dia seguinte eu levanto, vou trabalhar e começo tudo de novo, seja pra ficar um dia em pé ou vários meses.

E vocês olham pra mim com admiração porque eu falo sobre isso, mas vocês são tão absolutamente incríveis também! Tem muita gente por aí vendendo um estilo de vida perfeito e talvez por eu ser tão despreocupada com essas coisas vocês se identifiquem mais comigo. O negócio é que eu tô longe de ser perfeita e eu faço questão que vocês saibam disso, porque pra mim cada post é como se eu tivesse falando com uma amiga.

Então vai aqui a lista dos defeitos: eu tenho celulites, eu tô tentando voltar a ser vegetariana e sigo falhando há vários meses, eu já fui babaca com um cara que me amava, eu tenho estrias, eu gasto muito dinheiro – que nem sempre tenho – com coisas que não preciso, eu não sou tão emocionalmente apegada na minha família quanto deveria ser, eu às vezes sou sincera demais, porém já menti – feio – pra uma pessoa, já menti pra minha chefe falando que tava doente e precisava ir pra casa, e dormi o resto daquela tarde.

Nem sempre eu sou a melhor pessoa do mundo, mas vocês aquecem meu coração quando comentam aqui sobre o quanto tudo que eu faço (nada!) por vocês muda a vida de vocês. Eu não estou fazendo nada demais além de ouvi-las e lembrar que, como eu, vocês também podem enfrentar as ondas fortes e seguir viagem.

Esse blog sempre vai estar aqui para lembrar a cada uma de vocês que seus sentimentos são importantes, que vocês são importantes, e que precisamos nos aceitar – e não aceitar ninguém que não nos aceite – do jeitinho que somos. Porque somos incríveis.

Vamos passar por coisas terríveis em nossas vidas, querida. Percorrer rotas nebulosas e sombrias que nunca pensamos que teríamos de percorrer. Vamos ver as pessoas que deviam estar conosco na jornada do descobrimento abandonarem o navio como se nunca tivessem tido interesse de ficar ali, pra começo de conversa. Vamos encontrar destroços daqueles que ficaram pelo caminho – ver alguns pedirem refúgio em nosso deque – e nos compadecer por aqueles que baixaram âncora em corações já preenchidos por outros navegantes.

Vamos passar por coisas terríveis em nossas vidas, querida. E vamos sobreviver. Porque é o que fazemos de melhor, e enquanto tivermos as palavras como bóias, elas nos impedirão de nos afogarmos.

Eu acredito em cada uma de vocês. Acredito nos seus sonhos, acredito que são fortes, acredito que só porque fizeram alguma coisa ruim não quer dizer que são pessoas ruins. Acredito que vão achar um jeito de resolver os problemas. Acredito que vão ajudar outras pessoas a resolverem os seus também. Acredito que são boas, que são lindas e são mais do que o necessário. Obrigada por também acreditarem em mim.

Obrigada (muito, muito obrigada!) de coração a cada uma de vocês que, diariamente, embarcam em jornadas comigo sem nunca sequer perguntar pra onde estamos indo. Vocês acharam que as minhas palavras estavam ajudando vocês, mas saber que estão lendo é o que me faz continuar tecendo rotas de papel e tinta.

amramr

Beijos,
Carol Santana
Book do dia
29/09/2016

carolsantana-7edited

Mais um post de look do dia que no fim das contas acabou sendo mais especial do que eu achei que seria. Pra começo de conversa, enquanto escrevo esse post tem tinta ruiva no meu cabelo. SIM! It’s happening, people! Esse post fica sendo a despedida da minha tentativa um tanto o quanto frustrada de voltar a ser morena. Valeu, foi bom, adeus!

carolsantana-9edited

Em primeiro lugar quero dizer que tá tendo muito shorts sim desde esse post aqui em que eu expliquei sobre a primeira vez que usei shorts na vida adulta e porquê, e se tem uma coisa que eu tô muito feliz de ter abandonado esse ano foi a minha insegurança em relação a usar shorts. Esse look aqui é um dos mais Carol que eu já fotografei pra vocês! <3

carolsantana-11editedcarolsantana-12editedcarolsantana-14editedcarolsantana-5edited

Vamos dar um close aqui nessa tattoo nova que eu estava querendo fazer há um tempinho. Um coracão com ondas em seu interior, sendo segurado por um par de mãos. Não, sério, não segue rodando não, tira um minutinho pra apreciar essa tatuagem aqui comigo <3

O que eu acho mais incrível das fotos que a Carol tira é que, independente da vibe ou momento da vida em que eu esteja, ela consegue captar. Vocês que me acompanham há mais tempo devem ter reparado o quanto os looks do dia aqui do blog são todos muito diferentes uns dos outros. Isso é porque eu raramente faço mais do que 2 por mês, e olhando o quadro geral da coisa, eu vou mudando mais rápido do que consigo fotografar. A proposta desse era mostrar o cabelo curto cacheado e a tatuagem nova, mas acho que acabou mostrando uma paz de espírito a mais. Tô andando muito leve por ai esses dias e só posso dizer que recomendo a cada uma de vocês que largue de lado esses medos bobos e infundados em relação a moda e usem o que vocês quiserem, que eu tenho certeza, vão andar por aí de sorrisão tipo eu! :)

Shorts: C&A / Camiseta: GAP / Camisa Xadrez: Sem marca / Tênis: Allstar / Anel de Óculos: Toca Mágica / Colar de Coruja: Comic-con / Colar de Grão de Arroz: Moço Hippie da Pracinha / Batom: Ruby Woo da MAC / Tatuador: @frazaofrazaofrazao / Fotografia: Caroline Ozzy

Beijos,
Carol Santana
Textos
10/09/2016

sweet-16

Querida Carol,

Estou escrevendo por diversos motivos: saudades, fé, esperança, carinho, amor, e certezas, mas principalmente conhecimento. Você e eu vamos nos encontrar daqui 6 anos quando você alcançar a minha idade, e, passando por uma vitrine na rua em um dia qualquer de Setembro meu olho brilha por uma coisa que me lembra você e ali, naquela fração de segundos, volto a ser você. Mas a sua vida vai mudar tanto, tanto, tanto, taaaaaanto nesses 6 anos que nos separaram que eu achei importante você saber de uma única coisa: vai ficar tudo bem.

Digitei um nome específico na caixa de busca do seu email (é esse nome mesmo que você está pensando!) e o que apareceu foram vários emails com músicas em anexo, ouvir essas músicas também me fez voltar no tempo pra época que você tá vivendo e eu percebi que tem algumas coisas que eu gostaria que você soubesse.

Escolhi essa sua idade porque, pelo que eu me lembre, ela está sendo fantástica! Você está terminando o Ensino Médio com uma coleção de amigos maravilhosos, um futuro promissor pela frente com uma vaga no curso que você sempre sonhou fazer, um namorado que é loucamente apaixonado por você, e, adivinhe só! é seu melhor amigo, e além do mais você acabou de voltar da sua primeira viagem à Londres – e, isso eu posso dizer certeza – que mudou tudo para sempre!

Mas as coisas vão sair do trilho várias vezes, meu bem. Quero que saiba disso pois só de lembrar do quão forte você vai precisar ser meu coração se parte em dois novamente. Em algum tempo você vai olhar para cada uma dessas coisas maravilhosas na sua vida e nenhuma delas vai existir mais. Nenhumazinha, e você vai entrar em desespero total e procurar conforto em coisas que você não conhece bem, mas que vão começar a fazer parte da sua vida.

Pra começar você vai descobrir como é fácil se separar de pessoas queridas. A escola vai ser sempre uma época que você vai guardar com carinho no coração, não se preocupe. Ah, e, antes que você se pergunte, a resposta é sim, você e a gangue ainda se reúnem com frequência, apesar de o número de integrantes da gangue ter caído muito. Alguns deles vão começar a namorar e se tornar pessoas muito diferentes, outros vão se mudar de cidade e outros vão estar sempre muito ocupados, mas tudo bem porque as suas relações com cada um deles vai mudar muito nesses próximos 6 anos. E o mais incrível, é que para quem vai ficar na sua vida nada muda nunca e o laço segue forte como nó a cada vez que se encontram.

Já o seu futuro no curso que você sempre quis fazer não é tão promissor quanto parece. Não vou entrar muito em detalhes pois é muito importante que você descubra sozinha, mas, se eu puder dar um conselho sobre esse seu curso é: não surte! Você vai surtar, é claro, mas ele vai ser muito importante na sua vida (por motivos que você não imagina). Não porque você vai terminá-lo sendo uma escritora profissional e manjando tudo que há para manjar de literatura e escrita como você pensou que aconteceria, mas porque você vai conhecer pessoas que vão te ajudar no momento mais sombrio que você já enfrentou até hoje.

O golpe mais pesado é o do namorado, meu bem, mas escute o que digo: vai ficar tudo bem. Vai acontecer de vocês se distanciarem nesses próximos seis anos. Nem sei se eu deveria estar te dizendo isso pois é realmente importante que você aprenda sozinha, mas eu quero te dizer que vai passar e você vai ser feliz novamente. Exuberantemente feliz, como nunca pensou que fosse possível ser sem ele na sua vida. Nem adianta me perguntar o que foi que rolou, foi uma combinação de fatores que com 16 anos você não vai conseguir entender (sei que se pudesse entender você os teria evitado), mas, só para constar, você vai carregar uma parte dele muito grande para a eternidade, já que foi ele que te ensinou tudo que você sabe sobre a escrita, e sobre os ursos, e sobre a língua dos animais e navios.

A sua viagem pra Londres vai te render muitas coisas incríveis. Por causa do que você viveu lá você agora é uma fiel seguidora e defensora dos Sonhos. Mas, sobretudo, você ganhou uma irmã. Sei que por causa dessa viagem você magoou a pessoa mais importante da sua vida, mas, uma coisa que você vai aprender nesses próximos anos é que nós só podemos dar aquilo que temos, e em alguns momentos da sua vida você não vai ter nada para oferecer aos outros pois mal há Carol suficiente para você. É importante que você perceba isso e vá atrás do que está faltando, é conquistando coisas suas que você será capaz de dividir com o mundo.

Até aqui rolaram umas coisas que você nunca acreditaria: Você vai no show da Avril Lavigne e do Coldplay, esse do Coldplay não vou dar detalhes pois ele vai ser o dia mais incrível e doloroso da sua vida ao mesmo tempo, mas o da Avril Lavigne vai ser muito divertido e você vai sair de lá como saiu da Trafalgar Square no dia 07/07 desse ano em que soprou as velas dos doces 16 anos, como se pudesse fazer qualquer coisa no mundo. Além dos shows que você sempre quis ir, das pessoas incríveis que você jamais sonhou conhecer, e dos lugares incríveis que você ainda vai também rolou de uma editora querer publicar seu livro. Dá pra acreditar nisso? Com 16 anos você nem começou a trabalhar nele direito, mas é esse ai mesmo que está guardado nos seus arquivos há um tempo, essa folha de rascunho com alguns tópicos e diálogos vai mudar sua vida pra sempre. Uma das coisas mais legais desses próximos seis anos também é que você vai redescobrir uma antiga paixão de criança e dançar muito. E começar a ouvir música sertaneja, hahahaha! Vou parar por aqui pois sei que essa da música sertaneja você nunca vai acreditar, o que talvez te leve a duvidar de todo o resto que eu falei.

Ah, e, eu sei que eu vim aqui para dizer que vai ficar tudo bem, mas, tem uma coisa que eu acho que você também devia saber pois vai acontecer de você perder seu caminho em momentos de escuridão que te cercarão nos próximos anos: é importante ficar triste. Estou dizendo isso pois você é uma das garotas mais encantadoramente felizes que eu já conheci na minha vida, e a tristeza profunda vai chegar para você e você não vai saber o que fazer com ela pois é diferente de tudo que você já sentiu ou pensou. Mas eu sei o que fazer com ela: sinta.

Sinta-a porque ela vai te proporcionar criar coisas maravilhosas que vão ajudar outras pessoas. Sinta-a porque ela vai fazer você descobrir a fotografia e isso vai mudar tudo. Sinta-a porque você não pode evitá-la. Sinta-a porque a tristeza ter chegado não quer dizer, em hipótese nenhuma, que ela vai durar para sempre. Ela vai embora tão de repente quanto chegou. Não é como você, você vai durar para sempre. Obrigada por tudo, meu bem, você foi uma das melhores versões de mim que eu já tive, a melhor até hoje talvez. O lado bom é que 16 é um número tão mágico que é no ano que termina com ele que eu redescobri uma felicidade tão grande quanto a sua.

Engraçado, saí pra encontrar o amor num dia desses e cruzei com você no meio do caminho. Se você me ver pode acenar pra mim, já pensou que louco te encontrar assim?

AH! Tem mais uma coisa que você precisa saber! Você é fantástica. Eu amo tudo sobre você. Eu amo o seu cabelo castanho todo cacheado e como ele parece dourado no sol e preto à noite. Eu amo o seu gosto musical, a sua atitude positiva e a sua paixão para com aqueles que ama. Eu amo que você acredite nas pessoas e lute por elas. Eu amo que você queira ser chef de cozinha. Eu amo que você assista ICarly até hoje. Eu amo que você passe tantas horas imersa em mundos de fantasia. Amo a sua blusa azul ciganinha de ombro à ombro. Amo seu anel de coco que você comprou dos hippies. Você é absolutamente fantástica, não tem nada, nadinha mesmo, sobre você que eu desejo mudar, nem mesmo essas coxas grossas que você diz odiar – você N-Ã-O – É – G-O-R-D-A. Algumas pessoas vão te dizer – e fazer você acreditar – o contrário, mas elas estão erradas. Mas apesar disso, aceite as mudanças, é graças a elas que eu posso ser quem eu sou, e, apesar de te amar muito, eu também amo pra caralho essa garota aqui. Obrigada por tudo, foi você quem me trouxe até aqui.

No mais, meu bem, quero dizer que além da literatura, da escrita, e do garoto você ainda vai se apaixonar imensuravelmente por duas coisas na sua vida. Uma delas é o circo, lembra que você sempre quis fazer? Vai dar certo, e vai ser fantástico! É também o circo que vai te fazer descobrir o amor mais inesperadamente salvador que você nunca imaginou sentir, mas é ele que vai te colar por dentro quando tudo tiver te destruído: amor próprio. Isso, meu bem, vai mudar a sua vida tanto quanto a literatura, a escrita e o garoto mudaram.  Pelo menos é o que eu sei até agora, qual é! como eu vou saber de tudo? Eu só tenho 22 anos.

Beijos,
Carol Santana
Páginas12345678... 25»