Textos
24/10/2016

 

a211b7ffba308177e1050a40130cb0b4

Na semana passada aconteceu uma coisa que já havia acontecido algumas vezes antes, mas que até então eu não havia reparado que era recorrente.

Recebi um inbox de uma amiga muito querida com quem não falo já há algum tempo, dela me dizendo que havia lido o meu blog depois de descobrir que o agora ex-marido havia ficado com outra no dia do término deles. Foi a maior barra da vida dela, e ler o que eu escrevi, me enxergar através dos meus textos, ver o que eu passei e hoje estou aqui, viva para contar história, foi o que a fez se acalmar e saber que ela também vai sobreviver a isso.

Não foi a primeira vez que isso me aconteceu. Nem todos os textos do blog são bem compartilhados. Nem todos recebem vários comentários ou muitas curtidas. Enquanto eu escrevo essa postagem o instagram do blog (@hddescuido) tem 30 seguidores, e a fanpage no facebook tem 325 curtidas.

Hoje é dia 24 de Outubro, e essa é a primeira postagem que eu consigo escrever nesse mês aqui no blog, e o único motivo de eu conseguir escrevê-la é porque ela não é sobre mim. Veja bem, Outubro é um mês bem difícil para mim. Tenho evitado escrever até que ele termine para que eu não volte a escrever coisas tão sensíveis como escrevi pelos últimos seis meses.

A verdade é que 2016 foi o melhor e o pior ano da minha vida. E isso tem consequências que seguem reverberando em todos os aspectos da minha vida. Até nas palavras.

Principalmente nas palavras.

Me afasto delas num reflexo rápido de quem tenta se proteger de uma imagem no espelho que vai revelar mais do que posso encarar. É uma medida temporária que na verdade só resolve dentro da minha mente, como colocar um band-aid num braço quebrado. Ah! Os truques que a mente prega. Como são fascinantes as coisas que nos forçamos a acreditar que podem nos reparar!

Mas vocês, meus leitores, nunca me deixam esquecer do motivo pelo qual estou aqui e faço o que faço. O Horinhas de Descuido não é um blog famoso, não é um blog grande, não me dá dinheiro (mas me dá muitas despesas!), não tem nome e já aconteceu de ficar até 4 semanas sem posts novos. Vocês não sabem disso, mas, recentemente eu pensei em desistir dele. Não é nada pessoal contra o blog, vocês ou a blogosfera – eu só estava numa fase de desistir de tudo mesmo.

Mas, apesar dos intervalos espaçados entre uma postagem e outra, continuei. Ainda bem que continuei. É sempre bom lembrar que podemos ir mais adiante do que pensávamos. Continuei com o blog porque não importa quão tempestuosa a minha vida – alma, espírito, mente ou coração – possa estar, eu preciso das palavras para me segurarem na superfície e me impedirem de afogar.

Esse ano foi por pouco, mas dizem que mares calmos nunca fizeram bons marinheiros. Meu amor, eu hoje navego melhor que Capitão Gancho e Holandês Voador ao mesmo tempo.

Muito obrigada à cada um de vocês que me fizeram lembrar o quanto essas palavras – minhas palavras – foram importantes nas navegações de vocês! Muito obrigada por cada uma que usou esse blog de Norte pros sentimentos, e bússola pro coração.

Às vezes eu sinto que as pessoas se esquecem de nos informar que somos fortes só pra ver se a gente consegue descobrir sozinho, mas é, por vezes, sem nunca ter sabido disso, que a gente desiste de lutar contra a maré e se deixa afogar. O fato de eu ser tão transparente sempre (embora nem todos os textos sejam sobre mim) me faz pensar que vocês me vêem como ilha de descanso pra quem já não consegue dar braçadas. Oasis no deserto. E espero continuar assim.

Eu sou fraca como vocês. Eu passo por uns maus bocados que às vezes só o pessoal do twitter (@_cpadfoot) fica sabendo. Passo por uns piores ainda que nem o pessoal do twitter fica sabendo. Eu choro no banho, e mancho cartas com minhas próprias lágrimas. Já perdi as contas de quantas vezes o balanço do meu próprio corpo tremendo foi o que me ninou para dormir. Mas eu não tenho medo de falar nada disso, porque no dia seguinte eu levanto, vou trabalhar e começo tudo de novo, seja pra ficar um dia em pé ou vários meses.

E vocês olham pra mim com admiração porque eu falo sobre isso, mas vocês são tão absolutamente incríveis também! Tem muita gente por aí vendendo um estilo de vida perfeito e talvez por eu ser tão despreocupada com essas coisas vocês se identifiquem mais comigo. O negócio é que eu tô longe de ser perfeita e eu faço questão que vocês saibam disso, porque pra mim cada post é como se eu tivesse falando com uma amiga.

Então vai aqui a lista dos defeitos: eu tenho celulites, eu tô tentando voltar a ser vegetariana e sigo falhando há vários meses, eu já fui babaca com um cara que me amava, eu tenho estrias, eu gasto muito dinheiro – que nem sempre tenho – com coisas que não preciso, eu não sou tão emocionalmente apegada na minha família quanto deveria ser, eu às vezes sou sincera demais, porém já menti – feio – pra uma pessoa, já menti pra minha chefe falando que tava doente e precisava ir pra casa, e dormi o resto daquela tarde.

Nem sempre eu sou a melhor pessoa do mundo, mas vocês aquecem meu coração quando comentam aqui sobre o quanto tudo que eu faço (nada!) por vocês muda a vida de vocês. Eu não estou fazendo nada demais além de ouvi-las e lembrar que, como eu, vocês também podem enfrentar as ondas fortes e seguir viagem.

Esse blog sempre vai estar aqui para lembrar a cada uma de vocês que seus sentimentos são importantes, que vocês são importantes, e que precisamos nos aceitar – e não aceitar ninguém que não nos aceite – do jeitinho que somos. Porque somos incríveis.

Vamos passar por coisas terríveis em nossas vidas, querida. Percorrer rotas nebulosas e sombrias que nunca pensamos que teríamos de percorrer. Vamos ver as pessoas que deviam estar conosco na jornada do descobrimento abandonarem o navio como se nunca tivessem tido interesse de ficar ali, pra começo de conversa. Vamos encontrar destroços daqueles que ficaram pelo caminho – ver alguns pedirem refúgio em nosso deque – e nos compadecer por aqueles que baixaram âncora em corações já preenchidos por outros navegantes.

Vamos passar por coisas terríveis em nossas vidas, querida. E vamos sobreviver. Porque é o que fazemos de melhor, e enquanto tivermos as palavras como bóias, elas nos impedirão de nos afogarmos.

Eu acredito em cada uma de vocês. Acredito nos seus sonhos, acredito que são fortes, acredito que só porque fizeram alguma coisa ruim não quer dizer que são pessoas ruins. Acredito que vão achar um jeito de resolver os problemas. Acredito que vão ajudar outras pessoas a resolverem os seus também. Acredito que são boas, que são lindas e são mais do que o necessário. Obrigada por também acreditarem em mim.

Obrigada (muito, muito obrigada!) de coração a cada uma de vocês que, diariamente, embarcam em jornadas comigo sem nunca sequer perguntar pra onde estamos indo. Vocês acharam que as minhas palavras estavam ajudando vocês, mas saber que estão lendo é o que me faz continuar tecendo rotas de papel e tinta.

amramr

Beijos,
Carol Santana

dia 25/10/2016

Tu é linda demais e eu não canso de gritar pro mundo o quanto sou tua fã. Como escritora, mas principalmente como pessoa. Te admiro demais e te amo muito, de verdade, mesmo sem nunca ter te visto pessoalmente. Acho que é culpa dos seus blogs – doS porque eu lhe acompanho desde o Carta – e da amizade que foi crescendo no twitter e agora estamos firmes e fortes no whatsapp. Você é uma inspiração e eu fico muito, muito feliz que você tenha plena consciência disso, de que muda, melhora e transforma minha vida, minha forma de ver as coisas, me inspira a escrever e ser alguém melhor.

E eu também tenho defeitos, alguns são os mesmos dos seus, inclusive. E acho que isso é o que nos torna maravilhosas e cada vez mais gente. Muito obrigada e disponha :)

[Responder]

Carol Santana,
dia 11/05/2017

@Cecília Maria, você é uma prova do quanto a internet é poderosa. Quem diria que um grupo de blogueiras no facebook poderia unir duas pessoas assim, meu Deus. Muito improvável, mas sou grata à Deus pela improbabilidade da vida.
Muito amor por essa amizade tão artistica, musical e cinematografica. Me vejo muito em você e por isso sei que sou compreendida por ti.
Beijos! <3

[Responder]

Nina,
dia 25/10/2016

Passando pra dizer que cê continua maravilhosa. E que querer desistir não é fraqueza. Ser frágil também não é fraqueza. Precisar chorar também não é fraqueza. A gente precisa de um tempo pra nós mesmas, sim. Temos que saber priorizar quem somos sem tentar agradar os outros por medo do fracasso, sim. Nós sempre vamos sobreviver.
Carol, acho que você já sabe, mas não custa reforçar: você e suas palavras já me salvaram de tempestades nas quais desejei demais me afogar e nunca mais voltar. Obrigada por sempre me lembrar que ainda existe muita vida pela frente e que eu sou importante mesmo quando acho que não.
Obrigada por todos os quentinhos no coração.
Obrigada por ser quem é. Seja forte, seja bem Carol, viu? <3

Love, Nina.
http://ninaeuma.blogspot.com/

[Responder]

Carol Santana,
dia 11/05/2017

@Nina,
eu acho muito fantástica essa nossa relação de inspiração mútua, porque você também me torna uma pessoa muito melhor do que eu seria se não tivesse te conhecido.
obrigada por esse carinho imenso, comigo sim, mas principalmente com as minhas palavras.
amo você, <3

[Responder]

dia 13/11/2016

Nossa que texto!!! Vários sentimentos perpassaram pelo meu coração ao lê-lo… Primeiro fiquei pensando o quanto nós somos fortes e muitas vezes não temos consciência, depois fiquei pensando o quanto as vezes estamos ajudando pessoas sem ao menos perceber e por fim fiquei pensando nessa blogsfera que tá cheia de pessoas que só querem mostrar suas vidas perfeitas que muitas vezes nem existe… Gosto muitoo muitoo mesmo de encontrar blogs igual o seu, porque busco pessoas imperfeitas como eu, que passam dificuldades, que sofrem, que se permitem levantar, e está cada vez mais difícil encontrá-las por aqui… Eu também fico semanas sem postar, não me preocupo com a quantidade de seguidores que tenho, já pensei em desistir milhões de vezes e choro quando recebo um comentário que me mostra que vale muita a pena continuar e que parece que não mas com aquele nosso textinho, postagem que parece simples a gente muda positivamente a vida de alguém, seu texto por exemplo fez isso comigo hoje…

Muito Obrigada!
Beijinhos Bi
http://janeladela.blogspot.com.br/

[Responder]